Physical Address

304 North Cardinal St.
Dorchester Center, MA 02124

Sustentabilidade na agricultura brasileira deve contemplar a capacitação do produtor rural

Quem está no campo precisa de preparo para entender o potencial das novas soluções para a produtividade e para o meio ambiente

Por Gustavo Vasques*

No agronegócio, a evolução tecnológica acompanha os desafios de cada conjuntura. A produtividade, ponto de atenção constante no campo, cada vez mais compartilha espaço com a sustentabilidade. Só quem conhece a cadeia do campo até a mesa do consumidor entende o protagonismo do produtor rural para assegurar a qualidade dos alimentos. Afinal, o valor nutritivo do que é consumido depende do manejo realizado no início da cadeia. Por isso, a adoção de tecnologias avançadas como os fertilizantes especiais, condicionadores de solo e substratos para plantas demanda a capacitação por parte dos agricultores para que as plantas possam atingir o máximo potencial genético.

Ao compartilhar conhecimentos com um público estratégico como os agricultores, a indústria e os órgãos setoriais como a Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal (Abisolo) estão unidos para auxiliar na compreensão acerca dos benefícios dessas inovações e de como elas devem ser aplicadas. Muito mais que uma questão técnica, trata-se de uma colaboração na difusão de informações para apoiar o agricultor no enfrentamento de desafios relacionados ao solo, clima e à cultura.

Cabe pontuar a necessidade de uma abordagem prática durante os programas de capacitação. Em vez de apenas fornecer informações teóricas, os agricultores devem participar de demonstrações práticas no campo, workshops interativos e outras experiências hands-on. Isso os ajuda na compreensão dos conceitos teóricos e na aplicação de novos processos, tecnologias e práticas sustentáveis. Uma abordagem como essa é essencial para que os agricultores desenvolvam uma compreensão mais profunda e a confiança na aplicação efetiva das inovações em suas operações diárias.

Tal colaboração precisa ter um horizonte de longo prazo, de forma continuada. Não se trata de ação pontual. Incentivar a educação continuada significa promover programas e oportunidades de aprendizado, permitindo que os agricultores se mantenham atualizados em relação às últimas tecnologias e às melhores práticas sustentáveis. A ênfase é fomentar um ambiente de aprendizado constante para os agricultores, proporcionando-lhes as ferramentas necessárias para acompanhar o compasso dos desafios ambientais.

A indústria representada pela Abisolo contribui para o enfrentamento de outro desafio: a dependência da importação de insumos à base de Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K), conhecidos como NPK. Atualmente, o Brasil importa 85% desses insumos. Durante uma palestra no I Fórum de Fertilizantes de Matriz Orgânica, promovido pela Abisolo, o assessor do Ministério da Agricultura, José Carlos Polidoro, explicou que fertilizantes organominerais podem responder por 25% da demanda nacional de insumos NPK, os co-produtos e os resíduos com potencial agrícola respondem por 25% do fósforo, os agrominerais e os remineralizadores por 10% de potássio e os bioinsumos por 10% de nitrogênio e 10% do fósforo, além de fornecerem a tecnologia para aumentar a eficiência dessas soluções.

O crescimento desse segmento tem sido documentado pelo Anuário da Abisolo. Em 2022, o mercado de fertilizantes especiais teve mais um período de crescimento, encerrando o ano com um crescimento médio de 33,2%, quando faturamento chegou a R$ 22,193 bilhões.  Além de crescer, a cada ano essa indústria desenvolve novos produtos, produz novas pesquisas, gera empregos e apoia a agricultura nacional, que se destaca no cenário mundial de produção de alimentos e consequentemente pelo impacto no meio ambiente.

A disseminação dessa tecnologia passa pela capacitação de quem está no campo e deve ser vista como um investimento no futuro da agricultura brasileira. A nutrição de plantas é uma ciência complexa e demandante de conhecimentos. Esse aspecto emerge como um elemento-chave para que novas soluções sejam disseminadas no mesmo compasso em que as demandas da sociedade pautam mais a agricultura. A busca constante por eficiência e sustentabilidade coloca o Brasil como exemplo para outros países agrícolas, mesmo que ainda haja pontos de melhoria. 

É Conselheiro da Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal (Abisolo). Executivo possui 32 anos de experiência em organizações multinacionais nas áreas Química e Agronegócio, 20 anos como Presidente/Gerente Geral/Diretor Geral. Responsabilidade total pelo P&L. Além de ter ampla experiência gerenciando áreas de Vendas & Marketing, Finanças, Manufatura, P&D e Recursos Humanos; membro de Conselhos de Empresas e Associações Comerciais; e Turn-Around de Negócios, Aquisições e Desinvestimentos e Desenvolvimento de Novos Negócios.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *