Physical Address

304 North Cardinal St.
Dorchester Center, MA 02124

As mensagens que a Europa nos manda

A competitividade da agropecuária brasileira assusta produtores rurais em muitos cantos do mundo. E eles se defendem como podem

Por Aline Locks*

As relações internacionais, diplomáticas ou comerciais, têm muitas nuances. Governos e seus representantes costumam andar no fio da navalha entre os interesses de seus públicos internos – eleitores, em grande parte – e de consumidores externos, com seus mercados e exigências.

Para o agro brasileiro, que negocia com mais de 160 países, há muito o que entender e se adaptar. E muito o que negociar e conciliar.

A competitividade da agropecuária brasileira assusta produtores rurais em muitos cantos do mundo. E eles se defendem como podem. Se não é possível ter a escala, o clima e outras condições de ampliar sua própria produtividade, escoram-se na pressão sobre seus governos para que reforcem as barreiras de proteção de seus mercados.

Tratores nas ruas e bloqueios nas estradas europeias, nas últimas semanas, são parte desse jogo de interesses muitas vezes não declarados. No início desta semana, a Comissão Europeia cedeu à pressão de agricultores de vários países do bloco, que fizeram protestos ruidosos contra imposições ambientais que lhes haviam sido impostas internamente.

E, de quebra, ergueu alguns centímetros nas muralhas que dificultam a entrada de grãos vindos de países em que os modelos de produção são mais favoráveis e, portanto, permitem produção a custos mais baixos.

Há dois aspectos a serem observados nas demandas dos produtores europeus. Um deles é, de fato, o peso das exigências que lhes eram feitas por alguns governos – como a redução drástica no uso de fertilizantes nitrogenados e de pesticidas, e a necessidade de restaurar florestas em 4% das áreas das propriedades –, que, em alguns casos, inviabilizava a atividade dentro dos padrões locais.

O outro, menos explícito, é a percepção, por parte desses produtores, que um eventual acordo comercial com o Mercosul, que ampliasse a presença de nossos produtos agropecuários por lá, evidenciaria ainda mais a ineficiência do modelo produtivo europeu.

Com eleições para o Parlamento Europeu à vista, os tratoraços passaram a ser um incômodo político importante para os governantes, que se viram sem alternativa a não ser ceder. Relaxadas as demandas ambientais locais e ampliados os benefícios aos produtores, faltava apenas subir o tom contra os “parceiros” do Sul.

O presidente francês, Emmanuel Macron, tornou-se voz ativa contra o acordo com o Mercosul e não é de se espantar que barreiras ambientais, que já haviam sido alvo de intensas negociações, voltem à mesa.

O princípio da isonomia, tão frequentemente citado nas negociações diplomáticas, não vale, assim, nessa conversa. Esperar que os europeus tratariam nossos produtores como tratam os deles e relaxassem também as exigências em torno da rastreabilidade da nossa produção, por exemplo, seria uma grande ilusão.

De nossa parte, o caminho a ser mantido é o da coerência. Se nos apresentamos como uma grande potência agroambiental, temos que sustentar o discurso com ações e continuar no sentido de implementar os compromissos de redução de desmatamento e de descarbonização já assumidos. Também nisso temos tudo para ser exemplo.

Aline Locks é engenheira ambiental, cofundadora e atual CEO da Produzindo Certo, solução que já apoiou a maneira como mais de 6 milhões de hectares de terras são gerenciados, através da integração de boas práticas produtivas, respeito às pessoas e aos recursos naturais. Liderou projetos com foco em inovação e tecnologia, como o ‘Conectar para Transformar’, um dos vencedores do Google Impact Challenge Brazil. Recentemente foi selecionada pela Época Negócios como um dos nomes inovadores pelo clima, é uma das 100 Mulheres Poderosas da revista Forbes e uma das líderes do agronegócio 2021/2022 pela revista Dinheiro Rural.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *